Coluna

|Variedades - Acontece na Rede - Francisco Carneiro da Cunha

Coluna

|Variedades - Acontece na Rede

Veja por autor

Pernambuco Investe em Plano Estratégico de Desenvolvimento de Longo Prazo

Pernambuco 2035 é o plano que prepara o Estado para os desafios do futuro.
whatsapp linkedin
Publicado em 06.09.2014 - Edição 831

O Plano Estratégico de Desenvolvimento de Longo Prazo — Pernambuco 2035 —, que prepara o Estado para os desafios do futuro, realizado pelo Governo de Pernambuco e pelo Movimento Brasil Competitivo (MBC), envolvendo a sociedade no projeto de construção de um estado próspero, inclusivo e sustentável, foi apresentado na reunião mensal da Rede Gestão, no Pátio Cozinha e Café, pelos integrantes da Rede, os consultores Francisco Cunha e Fernando Braga (TGI) e Valdeci Monteiro (Ceplan). A consultoria técnica é do consórcio Pernambuco do Amanhã, formado pela TGI, pela Ceplan e, ainda, pela consultoria Macroplan.

A proposta do projeto Pernambuco 2035 é, a partir de uma análise de cenários e da identificação de diagnósticos em vários setores e do perfil econômico-social do Estado, antecipar tendências para orientar a formulação de uma nova geração de políticas públicas. Um dos produtos resultantes desse exercício de planejamento será a definição da carteira de projetos e investimentos prioritários públicos, privados ou em parceria para 20 anos, já com custos e prazos dimensionados, para alavancar o salto de Pernambuco para outro patamar de desenvolvimento e prosperidade. “Trata-se de um plano indicativo de longo prazo para o Estado, não para apenas um governo”, destacou Francisco Cunha ao apresentar o que já foi tornado público do projeto.

A apresentação aos integrantes da Rede Gestão passou por estudos retrospectivos, pesquisas, cenários e visão do futuro que contemplam o Pernambuco 2035. Francisco Cunha destacou, entre outros pontos, os registros de últimas referências de planejamento de longo prazo em Pernambuco (Padre Lebret, 1954, para o Estado; e Ulhoa Cintra, 1943, para o Recife), o período de industrialização do Estado (1959) e o chamado período “baixo-astral” (de 1985 a 2002). Já Valdeci Bezerra (Ceplan) falou sobre os cenários de Pernambuco com referências ao salto para o futuro: crescimento econômico, inserção na economia nacional e global, redução da pobreza e elevada qualidade de vida.

Já a Fernando Braga (TGI) coube a apresentação da visão do futuro. De acordo com o planejamento, até 2035, Pernambuco estará entre os cinco melhores estados do Brasil para se viver, trabalhar, empreender e prosperar. E a educação será o elemento central nos próximos 20 anos.

A elaboração do Pernambuco 2035 é organizada em quatro grandes etapas, que procuram responder às seguintes questões: (1) Onde estamos? ? Um diagnóstico da situação atual de Pernambuco e das principais potencialidades e debilidades. (2) Aonde queremos chegar? ? Construção de uma visão de futuro de Pernambuco para 2035, expressando o que se pretende alcançar no horizonte da próxima geração. (3) Quais os desafios externos? ? Com que cenários do ambiente externo (mundo e Brasil) o Estado terá que lidar e que oportunidades e ameaças podem criar facilidades ou dificuldades para o futuro desejado. E (4) Como chegar lá? ? O que fazer e onde concentrar as ações e os recursos: as grandes escolhas e prioridades, a agenda de inovação e mudanças e os projetos estruturantes.

Por fim, o programa ressalta a necessidade de Pernambuco recuperar a capacidade de um plano a longo prazo, e não por no máximo dois governos. Além disso, o Pernambuco 2035 vai fornecer subsídios para que o próximo governo do Estado encontre condições de trabalhar conectado aos anseios do povo pernambucano sob uma perspectiva de horizonte de tempo mais largo. “Precisamos ser muito organizados e prospectivos para conseguir recursos para investimentos”, diz Francisco Cunha.

 


Rede Gestão