Coluna

|Gestão de Negócios - Planejamento - Othoniel Pimentel

Coluna

|Gestão de Negócios - Planejamento

Veja por autor

Seguro de Sucessão Empresarial Ganha Espaço no Mercado

Esse tipo de seguro garante a continuidade da empresa em uma situação delicada - a morte inesperada de um dos sócios.
whatsapp linkedin
Publicado em Sun May 18 12:58:00 CDT 2008 - Edição 502

          É crescente o número de empresas preocupadas com um aspecto fundamental da gestão — a sucessão dos seus gestores. E não por acaso. Um processo sucessório bem planejado é condição essencial para que a empresa possa manter sua história de sucesso, evitando os riscos que ameaçam sua sobrevivência. Nesse contexto, uma solução que vem ganhando cada vez mais espaço é o Seguro de Sucessão Empresarial. Sua proposta é assegurar a continuidade da empresa, com menor impacto possível para os negócios, no caso de morte prematura de um dos sócios.

          Geralmente, as empresas não se preparam para esse risco. É uma resistência natural e compreensível, já que ninguém gosta de pensar que, um dia, poderá vir a faltar para sua família e sua empresa. Infelizmente, o preço a pagar por essa falta de planejamento é alto. Além de lidar com a carga emocional de perder um sócio, os demais gestores se deparam, nesse caso, com problemas bastante práticos que podem ameaçar a competitividade da empresa.

          Uma das alternativas no caso de falecimento de um dos sócios é a compra de suas ações, com o pagamento de uma indenização para a família. O problema é que, dificilmente, há recursos provisionados para atender a uma situação inesperada como esta e que envolve valores significativos. O que normalmente ocorre é que a empresa tem de alterar todo o seu planejamento financeiro para conseguir arcar com essa despesa ou, em algumas situações, recorrer a empréstimos.    

           A outra possibilidade é a entrada de um herdeiro no grupo societário, o que também pode gerar problemas para a gestão. Levado a substituir o antigo sócio de forma inesperada, nem sempre o herdeiro está capacitado para desempenhar a função de gestor, o que aumenta a possibilidade de conflitos no grupo societário.

           O Seguro de Sucessão Empresarial evita essas duas situações indesejáveis. A empresa não se descapitaliza, pois a cobertura prevê o pagamento do valor das cotas do ex-sócio para a sua família, no caso de morte natural ou acidental. Assim, evita-se também o risco de a empresa ter que absorver um novo sócio — na maioria das vezes, sem o preparo necessário para enfrentar os desafios da gestão.

           Com essa garantia, os sócios remanescentes podem continuar no controle da empresa, sem a interferência dos sucessores e sem que isso afete o equilíbrio financeiro da organização. Já a família do ex-sócio tem a tranqüilidade de contar com uma indenização previamente acertada, sem a necessidade de fazer acordos ou recorrer a outras instâncias em um momento de extrema fragilidade emocional.

           O Seguro de Sucessão Empresarial pode ser feito por qualquer empresa de capital fechado, inclusive as familiares, e constitui um importante avanço no âmbito da profissionalização da gestão empresarial num país culturalmente tão pouco afeito a práticas preventivas dessa natureza.

 


Rede Gestão