Coluna

|Gestão de Negócios - Organizando a empresa - Carla Miranda

Coluna

|Gestão de Negócios - Organizando a empresa

Veja por autor

O papel do gestor de Logística nas empresas

Seu trabalho bem executado otimiza as atividades e reduz custos.
whatsapp linkedin
Publicado em Sat Sep 12 05:32:00 CDT 2015 - Edição 884
O setor de Logística é observado como um dos mais estratégicos para o País. O gasto com o setor gira em torno de 11% a 12% do PIB e usa, principalmente, o transporte rodoviário (em torno de 80% de sua operação). Fator esse que colabora, em grande parte, para o aumento dos custos e exige, das empresas e dos seus líderes, pensar cada vez mais em criar alternativas para a redução de despesa e o aumento da eficiência.
 
No entanto, alguns entraves dificultam a qualidade da atividade do setor. Destacam-se, como exemplo, estradas de má qualidade, sem conservação; custo alto com combustível; falta de mão de obra qualificada; e outros meios de transporte mais baratos e eficientes ainda pouco desenvolvidos. Além disso, há fatores relacionados à gestão das empresas que também impactam nos resultados.
 
É nesse cenário que estão os desafios do gestor de Logística. Saber coordenar e mobilizar a equipe para a boa execução das atividades, além de elaborar um bom planejamento a partir dos vários processos que envolvem a cadeia logística, e que sejam adequados, otimizados e com custos reduzidos, preservando a qualidade da operação.
 
Conversamos com os consultores e sócios do INTG, integrante da Rede Gestão, Carla Miranda e Tiago Siqueira, para entender a realidade atual dos profissionais que exercem o papel de gestão desse setor.
 
REDE GESTÃO: Vivemos um momento conturbado no País, com crise instalada. Quais os impactos na gestão para o setor de Logística?

CARLA MIRANDA e TIAGO SIQUEIRA: Vivemos atualmente em um momento bem exigente em que as empresas estão reduzindo drasticamente custos, revendo processos, redimensionando trabalhos e, muitas vezes, equipes. No caso da Logística, os impactos são grandes por ser uma área que ainda depende muito da equipe para a realização das atividades operacionais. Ou seja, como os custos estão sendo cortados, passa-se a demandar da Logística uma operação mais enxuta, tendo que manter os padrões de qualidade exigidos.
 
RG: Qual a realidade atual dos gestores de Logística e qual o seu papel?
 
CM e TS: A realidade é bem adversa. Por um lado, as condições estruturais externas são pouco favoráveis. Por outro, há uma constante exigência dos clientes por cumprimento de prazos e entregas de qualidade, sem contar com a pressão contínua por custos reduzidos. Além disso, o perfil mais frequente nas equipes de Logística — que é mais operacional, com nível de escolaridade mais básico e, muitas vezes, com vínculos de trabalho diferentes, alguns próprios, outros terceirizados — exige do gestor um controle mais efetivo. Tudo isso impacta diretamente a imagem da empresa.
 
Considerando isso, podemos dizer que esse profissional tem um papel bastante importante para as empresas. Ele precisa estar bem alinhado com a estratégia organizacional, ser bem integrado com sua equipe, pares e superiores, e acompanhar no dia a dia todo o ambiente de negócios em que a empresa está inserida.
 
RG: Quais os seus desafios?
 
CM e TS: Por ser uma área que tem ligação com todas as outras áreas das empresas e até com os clientes, a Logística sofre pressões dos diversos setores, podendo até servir de “bode expiatório” para quando as coisas não dão certo. Por isso, a área deve ser vista como um diferencial competitivo. A Logística contribuirá para a consolidação de uma imagem positiva e de competência das empresas no mercado. Atendimento ao cliente (e preservação do bom relacionamento), otimização das entregas e dos estoques e uso eficiente de tecnologias, além da gestão dos indicadores e das pessoas envolvidas. Tudo isso são atribuições que a área deve dar conta. Com isso, as lideranças precisam estar cada vez mais preparadas para assumir a Logística das empresas com competência técnica e de gestão e quebrar o “ciclo vicioso” de ser o culpado do que não deu certo.
 
RG: O INTG a partir de outubro iniciará o curso de Gestão Estratégica de Logística. Como surgiu a ideia desse curso e quais serão os principais temas abordados?
 
CM e TS: As capacitações realizadas pelo INTG têm a característica de sempre adaptar seus conteúdos à realidade dos participantes. É uma abordagem teórica associada à prática gerencial. Junto com isso, tivemos a oportunidade de vincular os conteúdos sobre gestão (ao qual o INTG é especialista) a conteúdos técnicos da área de Logística, fruto de uma parceria feita com Bento Miranda, empresário e diretor de Logística do Grupo KarneKeijo, gestor com mais de 25 anos de experiência na área. A ideia do curso surgiu daí, de promover um espaço direcionado para gestores de Logística que ajude no seu desenvolvimento gerencial e também técnico. Por isso, alguns temas específicos serão abordados no curso, como: ação gerencial e liderança; desenvolvimento de equipes e integração; negociação de conflitos e gestão por acordos; utilização dos recursos de Logística; indicadores de desempenho; desempenho por operação e remuneração por produtividade; gestão de resultados e monitoramento; entre outros.

Rede Gestão