Coluna

|Gestão de Negócios - Organizando a empresa - Peter Ratcliffe

Coluna

|Gestão de Negócios - Organizando a empresa

Veja por autor

Cardápios Bilíngues Passam a Ser Obrigatórios

Apesar de a gastronomia ter um papel fundamental na atividade turística, poucos estabelecimentos se preocupam em oferecer seus cardápios traduzidos em outros idiomas.
whatsapp linkedin
Publicado em Tue Jan 21 05:32:00 CST 2014 - Edição 798

 

Entra em vigor, no final deste mês, a lei que obriga hotéis, restaurantes e bares do Recife a disponibilizarem cardápios bilíngues, com tradução para o inglês e o espanhol. De autoria do vereador Augusto Carreras, a Lei nº 17.905 foi publicada em 26/09/2013 e estabeleceu um prazo de 120 dias para que os estabelecimentos adaptassem seus cardápios à nova exigência. A ideia é facilitar o atendimento aos turistas e visitantes estrangeiros, principalmente durante a Copa do Mundo.

Mesmo com a preocupação de instituições como a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), que divulgou e incentivou a adesão à Lei pelos associados, o cardápio em inglês ou espanhol ainda é uma exceção no universo dos bares e restaurantes do Recife. Infelizmente, apesar de a gastronomia ter um papel fundamental na atividade turística, poucos estabelecimentos se preocupam em oferecer seus cardápios traduzidos, um serviço básico e essencial para o bom atendimento aos visitantes estrangeiros.

Nesse contexto, a Lei deve ser vista pelos proprietários de bares e restaurantes como uma oportunidade de aperfeiçoar seus serviços e posicionar seu estabelecimento em um novo patamar de qualidade no atendimento. Além de facilitar a comunicação, o cardápio traduzido dá mais segurança e tranquilidade ao turista, que sabe exatamente o que está comendo, sem o risco de receber informações erradas ou imprecisas.

É importante destacar que produzir um cardápio bilíngue é uma tarefa muito mais complexa do que pode parecer a princípio. Como uma das formas de expressão da cultura de um povo, a gastronomia pressupõe uma abordagem que vai muito além da tradução literal. É importante não apenas ter um amplo domínio dos termos técnicos — como ingredientes e formas de preparo —, mas também oferecer informações que permitam ao turista ampliar a experiência gastronômica, incorporando ao contexto aspectos culturais e históricos.

Todos os estabelecimentos deveriam se preocupar com a tradução de seus cardápios, não apenas para cumprir a nova legislação, mas principalmente para poder oferecer um serviço de qualidade ao turista. Aqueles especializados em culinária regional ou autoral têm ainda uma grande oportunidade de usar o cardápio para destacar seus diferenciais e encantar o cliente estrangeiro, trabalhando aspectos culturais e históricos associados à gastronomia.  Um restaurante que ofereça cartola como sobremesa, por exemplo, pode aproveitar para explicar ao turista que o doce, criado nas casas-grandes dos engenhos, foi considerado Patrimônio Cultural e Imaterial do Estado de Pernambuco, por ser um símbolo da miscigenação dos três principais povos formadores da nossa cultura.

Gastronomia e turismo são áreas convergentes, com grande potencial de geração de negócios não apenas na Copa, mas também a longo prazo. Ganha quem souber enxergar e se preparar adequadamente para aproveitar as oportunidades.

 


Rede Gestão