Coluna

|Era Digital - Conectado - Eliene Rodrigues

Coluna

|Era Digital - Conectado

Veja por autor

Alianças São o Caminho

whatsapp linkedin
Publicado em 25.12.2005 - Edição 378
A seleção do vestibular é um tenso ritual de passagem para a universidade. O medo do fracasso, o investimento pessoal e familiar, o clima crescente de competição ao longo de todo um ano — tudo contribui para que o outro, na banca ao lado, seja encarado prioritariamente como um adversário a ser derrotado na luta por vaga em um curso superior.

Nas sociedades primitivas, combater, destruir ou se apropriar do que o outro possui é o princípio que regula as relações entre os pares. De certo modo, esse modelo de competição predatória é preservado na disputa pelo acesso à academia, cada vez mais marcada pela adoção de técnicas que secundarizam a compreensão do conhecimento em privilégio de fórmulas classificatórias, sejam elas equações de física ou modelos de “boa” redação. O foco na competição continua dominante no câmpus universitário, onde as representações do saber ligadas ao poder assumem formas diversas. Como, por exemplo, o investimento em construções teóricas herméticas, que têm a finalidade de dificultar a produção compartilhada do conhecimento.

Trata-se de caminho narcísico e individualista, que desconsidera as mudanças já instaladas nos ambientes social e econômico determinantes da dinâmica do mercado de trabalho em qualquer área de atuação profissional.

Segundo Peter Drucker, estamos nos movendo hoje em direção a uma economia mundial integrada, na qual a reciprocidade é um princípio central e irreversível. Nesse novo contexto, um adversário enfraquecido só fica impossibilitado de contra-atacar se insistir em agirisoladamente. A alternativa que se consolida é a formação de blocos econômicos de países e/ou de regiões, como a União Européia, o Nafta e o Mercosul. As economias menores se inserem nu mercado maior e numa escala competitiva ampliada. A reciprocidade transcende o protecionismo e o livre comércio, porque todos passam, igualmente, a ter acesso aos mercados do outro bloco.

Dos vários desdobramentos dessa lógica, vale destacar o fato de serem essas relações conduzidas através de acordos bilaterais e trilaterais entre sociedades culturalmente distintas. As alianças não se restringem ao poder financeiro; também envolvem a produção de conhecimento e o desenvolvimento da ciência e da tecnologia.

Para relembrar, no passado, as tecnologias tinham pouca superposição. Engenheiros eletrônicos não precisavam tanto do conhecimento de áreas afins — Engenharia Elétrica nem Engenharia de Materiais. Laboratórios de produtos farmacêuticos não trabalhavam com geneticistas. Produtores de papel podiam restringir sua expertise à mecânica e à química dos papéis. Hoje, a integração de conhecimentos e de especialidades é a chave para o sucesso. Algumas das descobertas mais importantes e recentes da ciência, como a decodificação do genoma de várias espécies, só foram possíveis em conseqüência da organização de redes internacionais de pesquisadores, em permanente colaboração. Caíram as barreiras e os compartimentos estanques. O futuro será construído com base em alianças estratégicas. Os mercados em todo o mundo estão em processo de fusão, para responder aos desafios da globalização, e, nesse processo, não cabem mais iniciativas isoladas.

Mas construir alianças não é tarefa fácil. Elas exigem profissionais com uma visão abrangente do contexto socioeconômico, da consistência e interdisciplinaridade do conhecimento, da capacidade para articular e inovar, além da habilidade para se relacionar, respeitando e reconhecendo o saber e a competência do outro.

A Rede Gestão, conjunto de empresas sediado no Recife, é uma das evidências dessa prática inovadora. Segundo seu idealizador, Francisco Cunha, reconhecer o concorrente é tê-lo como adversário indutor de mudanças e, até, como possível parceiro. Tratar concorrente como inimigo, com quem só se pode jogar o jogo da guerra (fatal para um ou para os dois), é um traço das relações empresariais que caminha para se tornar coisa do passado, marca de primitivismo.

Infelizmente, não são esses os princípios que regem a “guerra do vestibular” nem a batalha por um lugar no mercado de trabalho, travada desde o primeiro ano na universidade. O mercado, no entanto, mudou. E ele pede um novo profissional, capaz de vencer através da habilidade para integrar esforços e conhecimentos, consolidar parcerias estratégicas, ser solidário no fracasso e na celebração das vitórias. Esse é o novo caminho.

Rede Gestão